Câmara promove 4ª Reunião do Fórum em Defesa do Rio Corumbataí

Evento idealizado pelo vereador de Piracicaba José Aparecido Longatto (PSDB) tem como objetivo discutir ações e evidenciar a preservação e recuperação da Bacia do Corumbataí

Publicado em: 31 de agosto de 2017

A Câmara de Charqueada sediou a 4ª Reunião do Fórum Regional Permanente em Defesa do Rio Corumbataí. O evento, que aconteceu ontem (30), no plenário da Casa “Antonio Vicentin Neto”, reuniu autoridades e representantes das cidades da região que integram o Fórum.

 

O vereador Vinícius Roccia (SD), primeiro-secretário da Mesa Diretora da Câmara Municipal, presidiu os trabalhos do encontro. Além de Roccia, estiveram presentes o vereador e vice-presidente do Legislativo, Rogério Batista (PPS); o vereador de Piracicaba, José Aparecido Longatto (PSDB) - idealizador da iniciativa; a Secretária de Governo de Charqueada, Valkíria Callovi, representando o prefeito Carlos Roberto Biegas (PSDB); os vereadores de Corumbataí, Henrique Macedo e Vera Lúcia Altarugio; o presidente do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) de Piracicaba, José Rubéns Françoso, representando o prefeito da cidade, Barjas Negri (PSDB); a vereadora de Itirapina, Elisabete de Oliveira Silva; o presidente do IPSA Corumbataí (Instituto de Proteção Sócio Ambiental do Rio Corumbataí), Waldemar Bóbbo; o analista técnico da Agência das Bacias PCJ, Leonardo Baumgratz; o presidente da Ong ECO, Antonio Cezário Longatto; o vice-prefeito de Santa Gertrudes, Glalson Chamon; e o vereador de Rio Claro, Julinho Lopes.

 

Para Vinícius Roccia o Fórum em Defesa do Corumbataí envolve, em especial, as próximas gerações. “A crise hídrica assombrou todo o Estado de São Paulo. Os trabalhos desenvolvidos por meio desta iniciativa são importantes para a conscientização e a preservação do Rio Corumbataí”, frisou. “Temos que pensar no futuro. A educação também é o caminho”, concluiu ao final.

 

A vereadora de Itirapina, Elisabete Silva, destacou sobre os deveres dos vereadores quanto a ações em prol do Corumbataí e seus afluentes. “Nossa prerrogativa enquanto vereança também é fazer a nossa parte de fiscalização”, disse. “Devemos defender a maior mãe de todas, a Mãe Natureza”, salientou.

 

No decorrer do Fórum, Longatto enfatizou os 20 anos de engajamento na causa, chamou a atenção para a preservação dos recursos naturais e destacou que ainda há muito trabalho a ser feito.

 

“A ciência nos diz que precisamos de quatro elementos básicos para sobreviver: água, ar, alimento e luz [...] O que estamos fazendo com o planeta que Deus nos deu?”, indagou. “Nós termos muito trabalho a fazer e juntos porque sozinho ninguém faz nada”, ressaltou. “Nós precisamos começar a cobrar (das autoridades). A conscientização do tratamento de esgoto, a conscientização do tratamento de lixo... E essa conscientização é nossa”, concluiu.

 

Ao final da reunião, houve a exibição de vídeo evidenciando a temática abordada durante todo o encontro.

 

O Fórum Regional Permanente em Defesa do Rio Corumbataí, instituído por Longatto desde 2004 e realizado a cada dois anos, tem como objetivo unir forças dos oito municípios pelos quais passa o Rio Corumbataí - Analândia, Charqueada, Corumbataí, Ipeúna, Itirapina, Piracicaba, Rio Claro e Santa Gertrudes - a fim de preservá-lo, discutir ações e garantir a sua capacidade de abastecimento para o futuro.

 

Projeto Mananciais de Charqueada e São Pedro

Ainda, durante a ocasião, a coordenadora da Casa da Agricultura de Charqueada, Melissa Sampaio, e o engenheiro agrônomo Dênis Herrison da Silva, da Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) Regional Piracicaba, apresentaram o projeto Mananciais de Charqueada e São Pedro. Uma ação dos Comitês PCJ a pedido das prefeituras municipais que visa à melhoria da quantidade e da qualidade de água proveniente das microbacias dos ribeirões Água Branca (São Pedro) e Boa Vista (Charqueada).

 

O projeto em questão envolve os produtores rurais que têm propriedades dentro da bacia dos ribeirões mencionados; estes precisam liberar a visita e a entrevista dos técnicos da Casa da Agricultura e dos Comitês PCJ em suas terras. Assim, os profissionais podem identificar todas as ações e recursos necessários em cada espaço rural, apontando o que pode ser realizado para aumentar ou melhorar a renda agropecuária e adequá-la ambientalmente. A visita, entrevista e elaboração de projeto pelos técnicos não têm qualquer custo aos proprietários.


Publicado por: Alinne Schmidt

Cadastre-se e receba notícias em seu email