Câmara Municipal devolve R$ 323 mil à Prefeitura em 2018

Montante é proveniente de sobras do orçamento do Legislativo; para o presidente da Casa, quantia é resultado da economia adotada ao longo do ano

Publicado em: 21 de dezembro de 2018

A Prefeitura de Charqueada recebeu da Câmara Municipal, na tarde desta sexta-feira (21), um cheque de R$ 323.066,98 referente à devolução de sobras do orçamento do Legislativo que correspondem ao exercício de 2018. Do total entregue ao Executivo, R$ 2.352,91 são provenientes de rendimentos de aplicações financeiras e R$ 33.655,37 de retenções de impostos de renda de vereadores e servidores.

 

O montante da vez, somado ao valor também devolvido à Prefeitura no ano passado (R$ 351.461,95), totaliza R$ 674.528,93. A quantia em questão decorreu na administração do presidente do Legislativo, Wilson Tietz (PPS), que assumiu os comandos da Mesa Diretora no biênio 2017-2018. Para Tietz o montante é resultado do “princípio de austeridade e zelo com o dinheiro público”, medidas adotadas durante sua gestão.

 

“Em 2017, quando assumi novamente os trabalhos de presidente da Casa, fizemos a revisão de muitos contratos, o que culminou em medidas para a contenção de gastos; houve redução de aproximadamente 50% da despesa de pessoal. E no início deste ano também primamos pela redução de valores de todos os contratos de fornecedores do Legislativo, bem como de publicações da Câmara, além de outras medidas; com isso foi estimado mais de R$ 100 mil reais de economia”, ressaltou o parlamentar, que agora deixa os comandos da Mesa Diretora e assume como primeiro secretário no biênio 2019-2020, tendo como presidente da Casa o vereador Naldo Davanzo (PTB).

 

Para 2019 o orçamento previsto para a Câmara Municipal é de R$ 1.758.000,00.

 

Duodécimo - Vale ressaltar que a quantia anual destinada ao Poder Legislativo é dividida em 12 parcelas mensais, transferidas pelo Executivo – o chamado duodécimo - conforme o artigo 168, da Constituição Federal. Ainda, por lei, o dinheiro encaminhado deve sempre ser aplicado para render juros, e a Câmara, por sua vez, precisa devolver à Administração Municipal as sobras do duodécimo no final de todos os anos.


Publicado por: Alinne Schmidt

Cadastre-se e receba notícias em seu email